Linha do Oeste: Governo aprovou em Conselho de Ministros fim da linha entre Caldas da Rainha e Figueira da Foz

Linha do Oeste | Plano Estratégico dos Transportes


Governo acaba com comboios de passageiros entre Caldas e Figueira

O Governo aprovou em Conselho de Ministros o Plano Estratégico dos Transportes, que prevê a execução das reformas estruturais do sector, dando seguimento ao memorando de entendimento assinado com a Troika. O documento prevê a desactivação até ao final do ano do serviço de passageiros na linha do Oeste entre Caldas da Rainha e Figueira da Foz.

Mantém-se a linha activa para o transporte de mercadorias e será assegurada a mobilidade das populações através de transporte rodoviário alternativo. A medida acaba por ser uma machadada nas pretensões de requalificação e modernização da Linha do Oeste, há muito ambicionadas por autarcas e populações dos concelhos servidos.

E se a ligação até Lisboa ainda se mantém, fica a dúvida se dentro de algum tempo não será também encerrado este troço, de resto algo que tinha sido equacionado pelo Governo anterior, num estudo entregue à Troika, elaborado pelo Ministério das Finanças e o das Obras Públicas e Transportes, que preconizava o encerramento da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Louriçal, próximo da Figueira da Foz.


A política comercial não tem sido favorável para o aumento do número de passageiros. Comboios com horários pouco atractivos, serviço sem argumentos competitivos perante o transporte rodoviário e estações encerradas, acabaram por afastar os clientes.

Este fim-de-semana, um plenário distrital de reformados reunido na Marinha Grande aprovou uma resolução em defesa da Linha do Oeste.

“De há muitos anos que esta linha, fundamental para o desenvolvimento do nosso distrito, tem sido alvo de um brutal desinvestimento: encerramento de estações, horários desajustados e material circulante obsoleto. A viabilização da linha do Oeste é um problema que diz respeito a toda a população do distrito. A sua baixa operacionalidade prejudica de modo particular os reformados, que podiam ter nesta infra-estrutura um meio cómodo, rápido e barato de se deslocarem”, refere o documento.

Os reformados, por certo ainda desconhecedores do anúncio de encerramento do troço entre Caldas e Figueira, deliberaram “manifestar a exigência de que sejam resolvidos rapidamente todos os problemas que afectam a Linha do Oeste com vista à sua plena operacionalidade, bem como seja encetado um processo de modernização que permita o seu aproveitamento como via estruturante do sistema distrital de transportes, quer na vertente de mercadorias quer na de passageiros”.
(clique na imagem para ver em maior)
via jornal das caldas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: