Torres Vedras, fado vadio no Grémio Artístico Torreense, dia 1 Abril

Grémio Artístico Torreense | Fado


Fado vadio no Grémio Artístico Torreense

Sexta-feira, 1 de Abril às 22:00 horas

Segundo se pode lêr no Facebook do Grémio Artístico, está lançado o convite (espero que não seja uma mentira 🙂 !).

“Venha passar uma bela noite de fado pelas 22h00”

Ler mais deste artigo

Grémio Artístico Torreense comemora 120 anos e renasce os Bailes de Carnaval

Grémio Artístico Torreense | Bailes Carnaval

No Ano que o Grémio Artístico Torreense comemora 120 anos de vida, Renasce os Bailes tradicionais de Carnaval!

Bailes tradicionais de Carnaval:
• Hoje (segunda) às 22h00 –
• Amanhã (terça) às 4h30 –

Ler mais deste artigo

Torres Vedras: Grémio Artístico Torreense retoma os bailes de Carnaval

Grémio Artístico Torreense | Bailes de Carnaval


CARNAVAL TORRES VEDRAS – UMA TRADIÇÃO

Segundo anuncia no seu Facebook, o Grémio este ano vai retomar a tradição, com os bailes de Carnaval nos dia 4, 5, 7 e 8 de Março.

Relacionados:

»»Divulgação: Grémio Artístico Torreense é a Associação mais antiga de Torres Vedras
»»Carnaval de Torres 2011, Programa – de 4 a 9 de Março

Selenemys lusitanica, a mais antiga tartaruga de água doce da Europa foi descoberta em Torres Vedras

Divulgação | ALT-Sociedade de História Natural

Chama-se Selenemys lusitanica, é a mais antiga tartaruga de água doce conhecida na Europa, e é de Torres Vedras…!

Uma das áreas europeias que mais informações estão a proporcionar sobre as faunas que viveram no Jurássico Superior é a região centro-oeste de Portugal. Os seus fósseis  permitem-nos conhecer alguns dos grupos de animais que povoaram a Europa no momento em que  estava a ocorrer a separação deste continente e a América do Norte, mediante a abertura do Atlântico Norte.

Tem-se observado que existem dinossauros partilhados por ambos continentes (como provam Allosaurus sp. e Camptosaurus aphanoecetes de Torres Vedras), enquanto existem outros que exibem uma distribuição europeia, ibérica ou inclusivamente endémica.

No entanto, o que se passava com outros grupos de repteis de menor tamanho? Habitariam também em ambos continentes ou em cada um deles tinham surgido novas formas? Graças a um novo holótipo da Colecção Paleontológica de Referência da ALT-Sociedade de História Natural, é possível começar a responder a essas perguntas.
Ler mais deste artigo

%d bloggers like this: